Fórum Sindical vai dar apoio na luta contra redução de imposto de importação têxtil
ENTREVISTA: Marli Leandro, presidente do SINTRIVEST -
00:00 / 00:00
ENTREVISTA: José Isaias Vechi, coordenador do Fórum Sindical -
00:00 / 00:00

O Fórum das Entidades Sindicais de Trabalhadores de Brusque e região vai apoiar as ações contra a redução da alíquota do imposto de importação solicitada pela Associação Brasileira do Varejo Têxtil (ABVTEX) e que está causando muita preocupação nas empresas do setor na região de Brusque. A ameaça de que a medida venha a causar uma onda de desemprego na cidade e pelo estado levou as entidades empresariais a pedir o apoio dos sindicatos laborais na empreitada.

O problema foi levantado durante a reunião ordinária do Fórum, realizada na última segunda-feira, 9, na sede do Sindicato dos Trabalhadores Metalúrgicos de Brusque (SINTIMMMEB). A presidente do SINTRIVEST (Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias do Vestuário), disse que recebeu o pedido de apoio do Sindicato das Indústrias do Vestuário (SINDIVEST).

 

“É algo que nos preocupa bastante. Tivemos uma reunião, dias atrás, com a presidente do patronal e da Acibr, Rita de Cássia, e ela falou dessa situação. Isso nos prejudica, porque se hoje já temos uma taxa de desemprego muito alta, muito por conta da Globalização e de produtos importados ao longo de vários anos. Se essa tarifa baixar teremos muito desemprego”, pontuou ela.

O objetivo é de que os sindicatos laborais levem o assunto para as confederações e federações dos trabalhadores para que se engajem à causa. A intenção é impedir que isso ocorra, fazendo conversas e pressão junto ao governo.

O coordenador do Fórum, José Isaias Vechi, afirmou que as entidade vão encampar o pedido feito pelos empresários. Tudo por conta dos prejuízos que isso pode refletir na cadeira têxtil e vestuário.

“O movimento sindical pode colaborar e muito. Primeiro, tentando conscientizar as federações e confederações sobre isso. O argumento é de que o Brasil não tem condições de demanda da produção da necessidade de produzir roupas, por exemplo. Mas ismos não é verdade”, frisou, afirmando que a medida criará uma competição desleal.

O assunto está causando preocupação tanto nas entidades empresariais quanto nas dos trabalhadores. Os sindicalistas foram unânimes em defender o apoio por conta dos riscos de desemprego e até fechamento de empresas na região, cujo setor têxtil tem grande atuação.

Sobre o caso

A Associação Brasileira do Varejo Têxtil (Abvtex) encaminhou à Câmara de Comércio Exterior (Camex), vinculada ao governo federal, pedido de redução da alíquota de importação de itens para o setor têxtil. Pelo pedido, seriam afetados produtos de inverno, da chamada Nomenclatura Comum do Mercosul.

Alguns deles são suéteres, pulôveres, itens de algodão, fibra sintética, jaquetas, todos das modas masculina e feminina. O que está preocupando as entidades empresariais e, também, as laborais de Brusque e região é que o texto aborda o termo “outros”, o que dá margem para que toda uma cadeira de produtos e itens seja atingida.

A movimentação das entidade começou em janeiro, tendo a Acibr, o Sifitec, a Ampe Brusque, a Fiesc, na linha de frente.

O pedido da ABVTEX à Camex foi entregue em novembro de 2019.