Manifesto em Brasília, negociações coletivas e saúde pautaram reunião do Fórum Sindical

O Fórum de Entidades Sindicais de Trabalhadores de Brusque e região realizou nesta segunda-feira, 15, a reunião ordinária do órgão no mês de maio. O encontro aconteceu na sede do Sindicato dos Trabalhadores na Construção Civil e Mobiliário (Sintricomb).

 

Entre os assuntos de destaque debatidos pelos sindicalistas estavam um manifesto em Brasília contra as reformas trabalhista e da Previdência, as negociações coletivas e salariais das categorias, bem como questões relacionadas à saúde.

 

O Fórum discutiu sobre a ida de uma caravana de Brusque, reforçando grupos de outras cidades do estado, para Brasília na próxima semana. Na capital federal, haverá um grande manifesto, unindo trabalhadores de todo o Brasil contra as duas reformas propostas pelo governo. A concentração será em frente ao Congresso Nacional no dia 24, uma quarta-feira.

 

“Vários ônibus sairão de Santa Catarina para lá. Porque a nossa população está bem consciente do mal que vai acontecer se essas reformas passarem na íntegra como estão”, comenta o coordenador do Fórum, João Decker.

 

O manifesto visa chamar atenção dos deputados federais e senadores. Decker afirma que haverá uma ação firme em todo o país contra os políticos que votarem favoráveis às propostas.

 

“Nós estamos de olho nos deputados federais e nos senadores catarinenses. Eles são eleitos pela classe trabalhadora, não importa o partido, e, depois, simplesmente dão as costas para essa mesma classe”, pontua.

 

Saúde

 

Sobre este tema, os sindicalistas têm uma nova reunião com o secretário municipal da saúde de Brusque, Humberto Fornari. Será nesta quinta-feira, 17, na Prefeitura. Trata-se da continuação da negociação sobre um possível convênio entre as entidades sindicais e o município de Brusque referente às antigas cotas de exames cedidas aos sindicatos.

 

Até o ano passado, as entidades sindicais recebiam da Prefeitura uma quantia de exames e procedimentos laboratoriais para atender seus sócios. O paciente era atendido no sindicato por um médico custeado pela entidade e os exames e procedimentos encaminhados ao Sistema Único de Saúde (SUS). Situação que desafogava as unidades básicas e a Policlínica do município. Inclusive com medicamentos, pois os associados aos sindicatos podiam adquirir remédios a preço reduzido na Farmácia do Trabalhador, ou comprar na farmácia do próprio sindicato, como é o caso do Sintrafite, que representa o setor têxtil.

 

No final do ano passado, a Prefeitura anunciou que não mais manteria a liberação das cotas de exames, o que foi mantido pelo atual governo. Entretanto, depois de duas reuniões somente este ano entre as partes, surgiu a ideia de se formalizar um convênio em que o município compraria os serviços oferecidos pelas entidades através de convênio. Este será o foco do encontro entre o Fórum e as entidades sindicais na quinta-feira, a partir das 13h30, na Prefeitura.

 

Ainda sobre o assunto saúde, o Fórum recebeu a visita do administrador do hospital de Azambuja, Fabiano Amorim. Ele falou ao grupo de sindicalistas sobre um evento que será realizado no dia 2 de setembro. Trata-se de um encontro com profissionais da saúde, com palestras de médicos e enfermeiros. Além disso, Amorim também apresentou um relatório sobre os atendimentos na unidade hospitalar.

 

Negociações coletivas e salariais

 

Outro assunto discutido no encontro foi sobre as negociações coletivas de trabalho, nas quais estão as de cunho salarial. A dificuldade de se avançar nos valores de reajustes dos salários tem sido o principal percalço dos sindicalistas junto à classe empresarial.

 

“Poucos dos sindicatos que integram o Fórum fecharam as negociações. Alguns desses trouxeram propostas e comentamos que soam muito indecentes com nossas realidades e aquilo que as assembleias aprovaram”, frisou ele.

 

A próxima reunião do Fórum está marcada para 12 de junho, no Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias do Vestuário de Brusque e Guabiruba (Sintrivest), a partir das 14h.