Palestra encerra ciclo do Abril Verde na cidade de Brusque

O papel dos técnicos de segurança no trabalho foi o tema da ultima palestra do ciclo do Abril Verde na cidade de Brusque. O evento aconteceu na noite desta quarta-feira (27), no plenário da Câmara de Vereadores de Brusque. João Carlos Figueira, presidente do Sindicato dos Técnicos de Segurança no Trabalho de Santa Catarina (Sintesc), ministrou sobre o tema.

 

E o papel dos profissionais de segurança no trabalho é um dos pontos cruciais para mudança não apenas no quadro aterrorizador de acidentes e doenças do trabalho, disse Figueira, mas também na forma como a sociedade enxerga o problema em comparação com outras situações corriqueiras do cotidiano.

 

“A morte é o menor dos problemas para o trabalhador. O problema é quando há lesões gravíssimas, incapacitações. Quando se tem um trabalhador mutilado, lesionado, se carrega um grande desgaste para ele, sofrimento para sua família e para a sociedade, pois todos nós pagamos a conta”, disse ele, frisando que legislação sobre segurança e saúde do trabalho existe em número suficiente.

 

Durante a palestra, Figueira citou a importância de ações como o Movimento Abril Verde, período de um mês dedicado a ações de prevenção e conscientização sobre acidentes e doenças causados pelo trabalho. Santa Catarina é destaque em nível nacional quanto a isto, pois tem quatro cidades, em um total de sete no país, que possuem leis municipais instituindo o movimento. Brusque é uma delas.

 

A palestra ministrada por Figueira fez parte de uma sessão solene da Câmara Municipal, aprovada a partir de requerimentos de dois vereadores que também são sindicalistas: Marli Leandro e José Isaias Vechi.

 

“Sem dúvida, nos próximos anos vamos incrementar cada vez mais, vamos fazer crescer esse movimento. Porque ele fala de vida, de saúde, do ser humano. Precisamos evoluir nessa questão da saúde e segurança da classe trabalhadora, pois temos que construir mais políticas e ações que possam fazer a promoção da saúde. Não queremos mais trabalhadores mutilados”, disse Marli.

 

Para Vechi, o evento coroou as ações do sindicalismo trabalhista brusquense em torno do tema acidentes e doenças ocupacionais. “Foi uma noite gloriosa. Acredito que o Abril Verde nunca vai murchar. Começamos este ano, fizemos três palestras, conseguimos conscientizar mais de 300 trabalhadores nessas palestras e hoje foi o ponto culminante”, frisou ele.

 

O coordenador do Fórum de Entidades Sindicais de Trabalhadores de Brusque e região, João Decker, lamentou a ausência de outras entidades, convidadas para o ato, bem como dos vereadores – apenas um, Edson Rubem Muller, além dos dois sindicalistas que também ocupam cadeiras na casa, compareceu.

 

“Foi um momento muito importante este de hoje e das outras palestras. Afinal, temos que valorizar a vida do nosso trabalhador e da nossa trabalhadora”, pontuou ele.

 

O ciclo de palestras do Abril Verde teve ainda debates sobre doenças ocupacionais, assédio moral e acidentes de trabalho. O marco de encerramento do evento é o Movida, Movimento em defesa da Vida, Saúde e Segurança da Classe Trabalhadora Catarinense, ato público marcado para 28 de abril, também em Brusque.