16/02/2016

Reunião discute bloqueio de procedimentos no SUS de Brusque

O bloqueio e a não permissão para realizar exames e procedimentos de no Sistema Único de Saúde (SUS) para associados dos sindicatos de trabalhadores de Brusque levou o Fórum de Entidades Sindicais de Trabalhadores a se reunir nesta terça-feira, 16, com a secretária municipal da Saúde, Ivonir Zanatta Webster, a Crespa. Um convênio entre as entidades e o município existe há vários anos e permitia que um grande número de pessoas realizasse ou agendasse os atendimentos via SUS nas próprias entidades, desafogando o sistema do município.

 

No encontro, a secretária explicou que a situação ocorreu porque há um volume grande de pessoas que integram os associados dos sindicatos e que possuem residência em cidades vizinhas, principalmente Guabiruba. Com isso, os atendimentos são encaminhados para o sistema da saúde de Brusque, inclusive e, principalmente, os custos.

 

“É que existe uma pactuação chamada PPI (Pactuação Pactuada) que fazemos com os municípios. Por exemplo, Botuverá tem pactuado conosco alguns tipos de exames feitos em laboratórios e Guabiruba não, pois faz seus próprios exames no município de Guabiruba. Os sindicatos possuem cotas, que cedemos para cada um. Ocorre que as entidades estavam fazendo os exames dos pacientes que moram em Guabiruba e o nosso sistema não aceita”, comenta Crespa.

 

A saída, segundo ela, será um acordo com o município vizinhos, pois, caso contrário, Brusque estará pagando a  conta que deveria ser de Guabiruba, já que cada município recebe os recursos de forma per capita, ou seja, de acordo com sua população.

 

Devido ao problema, muitos cidadãos que buscaram a marcação de exames via SUS nas entidades acabaram tendo o pedido barrado. Uma situação que precisa ser resolvida o quanto antes, pondera o coordenador do Fórum de Entidades Sindicais, João Decker.

 

“Sabemos que os sindicatos prestam serviço para a sociedade de grande valia. A própria secretária da Saúde reconheceu isso, que se não fossem as entidades sindicais, do porte que são, o suporte que dão em relação à saúde, seria bem difícil para o município”.

 

Juntas, somente as entidades sindicais que fazem parte do Fórum possuem entre 35 mil e 40 mil associados. Além destes, também são atendidos pelos benefícios que elas oferecem os dependentes (filhos, esposas e maridos), o que dá um número superior a 80 mil vidas.

 

Entenda com funciona o convênio

 

Há alguns anos, as entidades sindicais firmaram convênio com o município de Brusque para liberar nos próprios sindicatos procedimentos via SUS, como exames médicos, laboratoriais e outros como raios X e ultrassom. Muitas das entidades possuem profissionais médicos em suas estruturas, o que faz com que as unidades básicas mantidas pelo município sejam desafogadas.

 

Ou seja, os associados são atendidos nos sindicatos pelos médicos mantidos pelas entidades, que prescrevem os medicamentos e procedimentos, ficando a cargo do município apenas a realização de exames, quando necessário. Muitos dos exames e procedimentos são executados na rede particular a custos reduzidos, a partir de parcerias entre os sindicatos com médicos e laboratórios. Com isso, os associados com condições financeiras pagam menos e são reembolsados em parte do valor, o que faz com que a fila no SUS diminua ainda mais.