Sindicalistas estão preocupados com saída de empresa de Brusque

O Fórum de Entidades Sindicais de Trabalhadores de Brusque e região esteve reunido na tarde desta segunda-feira, 19, com o secretário de Desenvolvimento Econômico, Trabalho e Renda da Prefeitura de Brusque, João Beuting. Em pauta a saída de uma empresa do setor metalúrgico de Brusque para se instalar em Itajaí. Os sindicalistas buscavam saber o que o município está fazendo para evitar isso, considerando que mais de 150 empregos deixarão de existir na cidade se isso se concretizar.

 

Presidente do Sindicato dos Metalúrgicos (Sintimmmeb), o sindicalista José Isaias Vechi foi quem puxou o assunto. Ele afirma que tomou conhecimento do caso e cobrou que a Prefeitura possa agir para evitar a saída do empreendimento, a Fluidra Brasil, braço de uma multinacional espanhola, instalada no Bairro Guarani e que atua na produção de acessórios para piscinas.

 

O secretário João Beuting confirmou que a Prefeitura foi procurada pela direção da empresa para saber a possibilidade de benefícios do poder público para poder se manter na cidade. Um dos pleitos foi a disponibilização de um terreno de 200 mil metros quadrados para abrigar estrutura de ampliação da mesma, o que seria inviável neste momento para o município.

 

“Até fomos atrás de conseguir um terreno de cem mil metros. Mas foi batido em outro problema, porque ela quer que consigamos um investidor que construa um galpão para que ela se instale. Isos, em termos jurídicos, é problema para nós”, frisou ele.

 

O coordenador do Fórum, Jean Carlo Dalmolin, afirma que o órgão resolveu se envolver no assunto por conta da situação os empregados que pode ficar ameaçada. “O Fórum viu como um problema porque vai gerar desemprego. O que queremos como representantes dos trabalhadores é que se tenha emprego na cidade. Por isso, nossa preocupação está em fazer com que ela se mantenha aqui”, frisou Dalmolin, que é membro da Comissão de Incentivos Fiscais do Conselho Municipal de Desenvolvimento Econômico.

 

Uma reunião entre o secretário, membros do Fórum e da empresa Fluidra deve ser realizada para verificar as possibilidades de evitar que a mesa saia de Brusque e se instale em Itajaí, para onde pretende ir.